• Breve história do Zen - de patriarca a patriarca
Os patriarcas japoneses

No século XIIIº, o monge japonês Dogen partiu para a China à procura do ensinamento autêntico de Buda. No dojo de Mestre Nyojo, ouviu um dia este bater num monge meio adormecido gritando : «Shin jin datsu raku!», abandonar corpo e espírito. É nesse momento que Dogen desperta. Tendo-se tornado o sucessor de Nyojo, regressa ao Japão onde funda o templo de Eiheiji e empreende a sua obra monumental, o Shobogenzo (Tesouro do olho da verdadeira Lei).

Através de Keizan, que funda o templo de Sojoji, o verdadeiro zen transmitido por Dogen divulga-se em todo o Japão.

No decorrer dos séculos, o zen japonês, que se institucionalizou e aproximou do poder, perderá a sua frescura inicial. Kodo Sawaki, mestre de Taisen Deshimaru, vai criticar firmemente o profissionalismo dos monges. Aquele que chamavam de Kodo, sem morada, sulcará o seu país dirigindo numerosas sesshin onde ensinava a prática pura de shikantaza (apenas sentar-se).