• A postura de zazen
Se alguém pergunta o que é o verdadeiro zen,
não é necessário abrirdes a boca para o explicar.
Mostrem todos os aspectos da vossa postura de zazen.
Então o vento da Primavera soprará,
e fará eclodir a maravilhosa flor da ameixoeira.

Daichi Sokei
(1290-1366)
 

É importante compreender os diferentes aspectos da postura de zazen para não forçar o corpo a uma rigidez e a uma imobilidade contrária à fisiologia natural de cada um. Assim, tensão e descontracção equilibram-se.

A posição da bacia é fundamental. Para praticar zazen, sentamo-nos no meio do zafu (almofada redonda), inclinamos ligeiramente a bacia para diante pressionando o chão com os joelhos. A posição correcta da bacia permite à coluna vertebral esticar-se para o céu sem crispação e à cabeça de se colocar, o queixo recolhido, no prolongamento da coluna. Os ombros, a caixa torácica e o ventre estão relaxados, o que permite uma respiração livre e profunda. Os olhos permanecem semicerrados. O olhar está pousado a uns 45 graus diante de si, sem fixar um ponto particular.

Os dedos da mão esquerda estão colocados sobre os dedos da mão direita com as palmas voltadas para cima. O cortante das mãos exerce uma ligeira pressão sobre o baixo-ventre. Os polegares tocam-se, na horizontal, de maneira firme e ao mesmo tempo leve e a sua linha não forma nem montanha nem vale.

Durante zazen, a atenção permanece vigilante sobre o que se passa no nosso corpo e no nosso espírito e também na respiração. Os pensamentos param de se encadear uns nos outros. Se nós nos concentrarmos na postura, eles desaparecem sem deixar rasto. A vontade pessoal e o ego deixam de se agitar. Não existe senão o instante presente.

É difícil observar a sua própria postura e muito fácil iludir-se sobre a sua própria prática. É por isso que é conveniente praticar zazen num dojo com outras pessoas.